22 de novembro de 2019 - 23:56

Esporte

30/09/2019 13:32

Clubes de SP, GO e DF sagram-se campeões na Super Copa Brasil de Tênis de Mesa em MT

Estado anfitrião (MT) faturou seis ouros, três pratas e onze bronzes

Da Redação*

Seis clubes se consagraram campeões na Super Copa Brasil Centro-Norte-Nordeste II, encerrada nesse último domingo, de 26 a 29 de setembro, com a participação de 15 unidades federativas e 63 clubes olímpicos e paralímpicos de mesa-tenismo, no Ginásio Professor Aecim Tocantins, em Cuiabá-MT. E com a presença de dois classificados para o Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020.

Santo André (ADSA-SP), Itaim Keiko/ Colégio Marconi (SP) e Clube de Tênis de Mesa Jacareí (SP) conquistaram os troféus de eficiência olímpica em primeiro, segundo e 3° lugares, respectivamente. E AACD São Paulo (SP), Associação dos Deficientes Físicos de Goiás (GO) e Associação M. Nogueira de Tênis de Mesa (DF) pegaram os troféus de eficiência paralímpica em 1°, 2° e 3° lugares.

“A Super Copa Brasil transcorreu por quatro dias sem qualquer transtorno. Foi feita num ginásio com estrutura esportiva muito boa e com iluminação adequada. O sistema de ordenação de jogos e a arbitragem funcionaram como o esperado e o pessoal do Staff trabalhou dentro da normalidade”, diz o vice-presidente da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM), Vilmar Schindler.

O evento contou com clubes vindos de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Amazonas, Rondônia, Alagoas, Pará, Pernambuco, Rondônia, Ceará, Rio Grande do Sul e Paraná. E o anfitrião Mato Grosso participou com delegação de 27 atletas, representantes de três clubes (AABB Cuiabá, Nipo Cuiabá e CT Morimoto) e obtiveram um bom balanço final.

“Os mesa-tenistas mato-grossenses conquistaram bons resultados. Alcançamos o total de 20 medalhas. Foram seis medalhas de ouro, duas de prata e onze de bronze nas categorias olímpicas e uma medalha de prata nas paralímpicas. E tivemos atletas que surpreenderam. Mesa-tenistas que não costumavam chegar nas cabeças, mas aqui chegaram e mostraram que evoluíram”, diz o presidente da Federação Mato-grossense de Tênis (FMTTM), Sandro José Abrão.

De acordo com o vice-presidente da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM), Vilmar Schindler, Cuiabá sediou a primeira edição da Super Copa Brasil de Tênis de Mesa, que foi criada para valorizar as disputas de duplas e unificá-las com a simples. E, segundo ele, a capital mato-grossense foi escolhida por conta da boa estrutura de hotéis, restaurantes, turística, esportiva e de aeroporto.

“No ano passado, nós tivemos uma boa experiência quando realizados uma Copa Brasil de Tênis de Mesa em Cuiabá. Um evento que transcorreu muito bem. Então conhecíamos a cidade e sabíamos que poderia suportar um evento ainda maior. E tivemos como parceiros os governos do Estado de Mato Grosso e da Prefeitura Municipal de Cuiabá”, avalia o vice-presidente, Schindler.

Paralímpicos

A Super Copa Brasil atingiu o total de 411 inscrições, sendo 226 em categorias olímpicas, 62 em duplas masculinas e femininas, 58 em duplas mistas e 65 em categorias paralímpicas. E, segundo o CEO da CBTM, Geraldo Campestrini, foi importante ter tido a participação de treze dos 30 para-atletas que representaram o Brasil na sexta edição dos Jogos Parapan-americanos de Lima 2019.

“A participação deles gera melhoria do nível técnico de forma mútua, tanto para eles, por se manterem em atividade, quanto para os demais, por experimentarem jogar com atletas de ponta e que possuem resultados internacionais relevantes. E, na Super Copa Brasil, nós tivemos o cuidado de ter acessibilidade e não fazer distinção entre olímpico e paralímpico. Temos essa premissa para gerar maior integração entre olímpicos e paralímpicos”, explica Geraldo Campestrini.  

Duas das treze mesa-tenistas do Parapan, Joyce de Oliveira (AACA São Paulo – SP) e Danielle Rauen (Frantt-Tibhar/CaféMorroGrande/Selam/ Piracicaba – SP), que ganharam ouro no Parapan e garantiram vagas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020, conquistaram medalhas de ouro na Super Copa Brasil. Rauen pegou ouro na Classe 9 e Oliveira ficou com ouro na Classe 5.

Economia

Uma pesquisa interna da CBTM aponta que os mesa-tenistas gastam em torno de 100 a 150 reais por dia de participação em competições nacionais, entre hospedagem, alimentação, transporte e lazer. O que multiplicado por quatro dias de evento e pela quantidade de participantes deu cerca de 150 mil reais ou mais injetados diretamente na economia local da cidade-sede, no caso, em Cuiabá.

Além do mais, ainda há o investimento de mais de 160 mil reais da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM) na organização do evento, o qual parte dele, cerca de 60 mil, foi gasto em Cuiabá. Como, por exemplo, com a hospedagem e diárias de árbitros e staff, contratação de profissionais para trabalhar no evento, transporte e outros serviços pontuais.

Mundo

O tênis de mesa é a segunda modalidade mais praticada no mundo e tem doze milhões de praticantes só no Brasil, seja em sua forma de lazer pelo ‘Ping Pong’ ou em sua forma profissional pelo ‘Tênis de Mesa’. E, segundo a CBTM, que é a instituição responsável pela regulamentação, organização e fomento desse esporte em nível nacional, a entidade tem 25 mil filiados em todos os estados.

Patrocinadores

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM) tem como patrocinadores a Tibhar, que é empresa fornecedora de equipamentos, como mesas, raquetes, bolinhas e outros, e a Loterias Caixa da Caixa Econômica Federal. E a Super Copa Brasil Centro-Norte-Nordeste teve patrocínios da Moto Raça Cuiabana, Bravo Produções, Lade Sonorização e Claro MT e o apoio do Governo do Estado de Mato Grosso e da Prefeitura Municipal de Cuiabá.

 

* Junior Martins/Especial CBTM

 


Copyright  - MT HOJE  - Todos os direitos reservados