19 de abril de 2024 - 18:52

Agro 360

02/04/2024 09:06

hEDGEpoint atualiza estimativa de safra de milho no Brasil:119,1M ton em 23/24

Com a colheita da soja no Brasil, o acirrado debate sobre os números da produção começa a se acalmar, mas um novo debate começa a esquentar: o do milho. Confira análise da hEDGEpoint Global Markets

“Como sempre, gostamos de começar dando um número, e o deste mês é 119,1M ton (contra 121,5M ton em fevereiro). Essa é a produção total de milho que estimamos para o Brasil em 23/24. Agora vamos às explicações. O primeiro fator importante que deve ser considerado é que o Brasil está terminando o plantio de milho de inverno, que representa a maior parte da produção do país. Por isso, ainda há debate sobre a área. Os números da Conab apontam para uma forte redução na área plantada devido às margens mais baixas e à perda da janela de plantio – a agência projeta a safra em 113,7M ton, similar a produção 21/22”, explica Pedro Schicchi, analista de Grãos & Oleaginosas da hEDGEpoint.

“Embora o cenário de margens ruins tenha se mantido, a perda da janela de plantio não aconteceu. Dessa forma, ainda acreditamos que a redução da área plantada pode ser menor do que a esperada inicialmente”, acredita.

milho-hdgm-abr24

Fenologia

As preocupações iniciais sobre atrasos na safra de milho de inverno derivaram do atraso na segunda metade da janela de plantio da soja. 

“Recapitulando, o milho de inverno no Brasil é uma cultura sensível à janela porque o inverno no Brasil coincide com os meses mais secos. Dessa forma, há o risco de menos chuvas e de geadas nos estados mais ao sul”, diz.

Como mencionado anteriormente, as preocupações iniciais não se concretizaram. 

“Em primeiro lugar, porque um dos estados que teve o plantio de soja atrasado foi o Rio Grande do Sul, que não tem uma safra de milho de inverno. Em segundo lugar, porque de acordo com rumores do campo o verão curto e seco no Brasil encurtou o ciclo da soja”, observa o analista.

E prossegue: “Em termos de desenvolvimento, o país atingiu mais de 90% da área plantada pretendida e, portanto, está nos estágios iniciais de desenvolvimento das lavouras”.

milho-hdgm-abr24a

Clima

As condições climáticas atuais são variadas. Por um lado, a umidade do solo foi esgotada pelo verão quente e seco mencionado acima. As previsões meteorológicas de longo prazo também não são boas. O modelo CFS da NOAA, que projeta períodos de três meses, mostra precipitação abaixo do normal e temperaturas acima da média para a janela de abril a junho.

milho-hdgm-abr24b

Por outro lado, as previsões meteorológicas de curto prazo estão apontando para uma boa combinação: maior precipitação e temperaturas mais frias. De qualquer forma, os forecasts podem ser tão voláteis quanto os preços, portanto, devemos considerá-los com cautela. Especialmente neste início de safra.

“Como a safra está apenas começando, o NDVI neste momento pode não nos dizer muito, e considerá-lo como um indicador tão cedo pode ser enganoso. Ainda assim, na maioria das regiões, ele está próximo da média, e temos que observar como ele evoluirá diante desse cenário de clima misto. Por enquanto, prevemos uma produtividade nacional em níveis bons (5.53 ton/ha), porém conservadoramente – em 22/23 a produtividade foi de 5.92 ton/ha”, pondera.

milho-hdgm-abr24c

Em resumo, na opinião da hEDGEpoint, a produção de milho no Brasil certamente será menor do que a do ano passado, projetamos uma safra de 119.M ton, contra quase 132M ton no ciclo passado. 

“Entretanto, a extensão da queda está sendo debatida, com um amplo range de estimativas. Atualmente, acreditamos que o corte na área cultivada pode não ser tão grande quanto se pensava, e que o clima ainda parece muito misto para que se tenha certeza de que os resultados serão tanto bons quanto ruins demais”, conclui.

Fonte: hEDGEpoint Global Markets

FIQUE ATUALIZADO: Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba informações (clique aqui)


Plantão

(65) 99288-0115