24 de junho de 2024 - 19:44

Economia

Futuros herdeiros 15/03/2024 09:13 G1

Favorita, 'pequeno gênio', 'amigo dos famosos': conheça os herdeiros que vão ter de se entender por império de R$ 1,2 tri

Sob temor de 'sucessão calamitosa', homem mais rico do mundo protegeu ações do clã no grupo LVMH para que os filhos ficassem 'condenados' a se entender sobre rumos dos negócios

 

Preocupado com a possibilidade de uma "sucessão calamitosa" de seu império de luxo, o homem mais rico do mundo garantiu que as ações do clã no grupo LVMH não pudessem ser vendidas pelo período de 30 anos. Numa ação inusitada, Bernard Arnault "condenou" seus cinco herdeiros a se entender sobre os rumos dos negócios quando não estiver mais à frente dele.

Aos 74 anos, o homem mais rico do mundo — segundo o tempo real da Forbes, com fortuna estimada em US$ 241,5 bilhões (R$ 1,2 trilhão) — busca manter o controle total do conselho de acionistas e da gestão operacional no futuro. Até o momento, porém, ainda decidiu qual dos filhos será o CEO após sua aposentadora. A primogênita Delphine Arnault, única mulher herdeira, é a favorita para o cargo.

 

 

A favorita para CEO

Nascida em 4 de abril de 1975, fruto do primeiro casamento de Bernard Arnault com Anne Dewavrin, Delphine ingressou na LVMH em 2000. Formada pela EDHEC Business School em Paris e pela London School of Economics, iniciou a sua carreira na empresa de consultoria MacKinsey.

Mas foi pela porta da moda que Delphine entrou no grupo familiar, trabalhando com John Galliano, diretor artístico e designer da Dior. Em 2008 foi nomeada vice-diretora do escritório, permanecendo na linha de frente quando, em 2011, Galliano foi demitido após proferir palavrões antissemitas sob efeito de álcool. Delphine soube proteger a marca das consequências midiáticas e nomeou o sucessor, o costureiro Raf Simons.

Em 2013, ela ingressou na Louis Vuitton e permaneceu na empresa principal do grupo como vice-gerente geral por uma década. No início de 2023, foi promovida à presidência da Christian Dior Couture. Hoje a mais velha dos irmãos é citada como a favorita para suceder o pai à frente do grupo.

Depois de um primeiro casamento de cinco anos com Alessandro Vallarino Gancia, herdeiro dos vinhedos italianos, Delphine mantém um relacionamento com Xavier Niel, com quem tem dois filhos.

 

Rei da comunicação

Antoine Arnault, de 46 anos, é considerado o rei da comunicação. Primeiro filho de Bernard Arnault, também nascido do primeiro casamento, Antoine é especialista na área e em marketing. Formado em administração, ingressou na LVMH em 2005, na área de gestão de marketing, antes de ser nomeado diretor de comunicações da Louis Vuitton, dois anos depois.

Bernard Arnault, CEO do grupo LVMH, e três de seus filhos, Antoine, Jean e Frédéric, em Paris — Foto: Dmitry Kostyukov/The New York Times
Bernard Arnault, CEO do grupo LVMH, e três de seus filhos, Antoine, Jean e Frédéric, em Paris — Foto: Dmitry Kostyukov/The New York Times

Muito sensível aos problemas sociais, em 2017 falou a favor de um código para o bem-estar dos modelos, em 2018 defendeu perante o governo francês a necessidade de avançar no caminho da igualdade de gênero e em 2019 lançou uma cooperação inusitada com a ONG Socorro Popular.

Depois de ter dirigido a fabricante de calçados Berluti entre 2011 e 2022, assumiu a direção geral e a vice-presidência do conselho da Christian Dior SE, que nada mais é do que a holding familiar que controla mais de 40% da LVMH.

Grande jogador de pôquer, vive desde 2011 com a modelo russa Natalia Vodianova. Os dois se casaram em 2020.

 

'Amigo das estrelas'

Alexandre Arnault, de 31 anos, é o "amigo das estrelas". Nascido em 1992, Alexandre é o primeiro filho do segundo casamento de Bernard Arnault com a pianista canadense Hélène Mercier. Ele começou a trabalhar na Telecom Paris, mas fracassou na tentativa de ingressar na Polytechnique, a mais famosa escola de engenharia dependente do Ministério da Defesa francês. Destemido, ele obteve o título de mestre em 2015.

Algum tempo depois, Alexandre passou a integrar o grupo familiar, assumindo a cogestão da Rimowa. Quem o conhece diz que desempenhou um papel fundamental na decisão do pai de adquirir aquela marca alemã de marroquinaria de luxo em 2016. Entre 2019 e 2021, substituiu o pai no conselho de administração do Carrefour, de onde saiu para assumir o cargo de vice-CEO da Tiffany. Em três anos de gestão, porém, Alexandre não conseguiu superar os resultados de seus dois principais concorrentes internacionais, Cartier e Van Cleff & Arpels.

 

A nível pessoal, Alexandre é conhecido por ser amigo de estrelas do showbusiness. Em sua conta do Instagram, ele aparece ao lado de Pharrell Williams, Beyoncé e Jay-Z.

 

'Pequeno gênio'

Frédéric Arnault, de 29 anos, é o "pequeno gênio". Muitas vezes apresentado como o mais talentoso da família, Frédéric foi admitido na famosa École Normale Supérieure, embora tenha preferido a Polytechnique, para seguir os passos do pai. Formado, ele se juntou ao grupo familiar após uma passagem pela MacKinsey e pelo centro do Facebook para pesquisas de inteligência artificial.

Em 2017, ingressou na TAG Heuer para assumir atividades relacionadas a relógios inteligentes. Em 2020, assumiu a presidência da empresa. Em janeiro, Frédéric – que também é um excelente pianista e tenista – foi nomeado CEO da nova divisão de relógios da LVMH.

 

O caçula

Jean Arnault, 26 anos, é o caçula do imperador do luxo. O mais novo e último dos irmãos também teve uma notável carreira educacional. Ele possui mestrado em matemática financeira pelo prestigiado MIT em Cambridge, perto de Boston, e mestrado em engenharia mecânica pelo Imperial College London.

Amante de relógios, chegou à Louis Vuitton como diretor de marketing e desenvolvimento do setor. Depois, discretamente, continuou a carreira até se tornar diretor da indústria relojoeira da marca. Quem o conhece o define como "discreto, mas apaixonado pelo seu trabalho. Muito elogiado pelos dirigentes e pelos quadros com quem colabora".

 

Preocupação com possível 'sucessão calamitosa'

O futuro imediato da LVMH, grupo global de alta costura, joalharia e bebidas alcoólicas, preocupa Bernard Arnault, que acaba de completar 74 anos. Os estatutos do conglomerado lhe permitem permanecer no comando até aos 80 anos. Mas Arnault, apontado como o homem mais rico do mundo pelo tempo real da Forbes, com fortuna estimada em US$ 241,5 bilhões (R$ 1,2 trilhão, na cotação atual), já organiza a sua sucessão com duas preocupações como guia.

Arnault quer manter sua família no controle total do conselho de acionistas e da gestão operacional. Mas também quer fazer o possível para evitar uma "sucessão calamitosa", como aconteceu em outros casos famosos, como o do grupo de mídia Lagardère.

Quando se trata do clã Arnault, as coisas parecem funcionar no melhor dos mundos. Todos os meses, seis dos seus membros reúnem-se religiosamente numa sala no nono e último andar da exclusiva avenida Montaigne, número 22, coração do chamado "triângulo dourado" de Paris e sede da LVMH.

Esses seis são Bernard Arnault e os cinco filhos que teve de dois casamentos: Delphine, Antoine, Alexandre, Frédéric e Jean. São todos parecidos com o patriarca, todos altos, longilíneos, autoconfiantes e de olhos claros e sempre bem-vestidos com as marcas de luxo do grupo.

Os seis membros do clã conversam várias vezes ao dia. A maioria mora lado a lado, nos bairros mais exclusivos de Paris. Cruzam-se regularmente em desfiles de moda, e há sempre um dos cinco irmãos que acompanha o pai, proprietário e CEO da empresa número um da indústria do luxo, na sua visita semanal às boutiques da avenida Montaigne, aos grandes armazéns Bon Marché ou la Samaritaine.

 

Irmãos 'condenados' a se entender

A reunião mensal na sede, porém, tem um objetivo particular: é ao mesmo tempo um almoço em família, uma minireunião da diretoria e, principalmente, um curso de altíssimo nível sobre prática empresarial.

 

Segundo fontes, dois dos cinco filhos de Arnault, Alexandre, de 31 anos, e Frédéric, de 29, entrarão no conselho de administração e, consequentemente, começarão a ter peso nas decisões estratégicas do grupo. Eles se juntarão a Delphine e Antoine, nascidos de um casamento anterior do pai e nomeados em 2003 e 2005, quando ainda não tinham 30 anos. Com passagem anterior pela gestão de algumas subsidiárias, Alexandre acaba de ser nomeado número dois da joalheria americana Tiffany, enquanto Frédéric foi direcionado para as marcas de relógios do grupo, como TAG Heuer e Bulgari.

A nomeação de novos membros do conselho de administração terá de ser aprovada pela Assembleia Geral de Acionistas. Um procedimento que – nem é preciso dizer – deve ser uma mera formalidade. Graças a uma configuração financeira meticulosa, Bernard Arnault e os membros da sua família controlam a maioria dos votos. No verão europeu passado, a participação acionária foi reorganizada. Agora, os seus cinco descendentes estão representados igualmente na empresa Financière Agache, que controla 48% do capital da LVMH.

Em 2022, graças ao fascínio pelo luxo após a pandemia de Covid-19, o grupo alcançou recorde de resultados, com lucro de 14,1 bilhão de euros. A LVMH foi então alvo de críticas sobre o montante "indecente" de superdividendos recebidos pelos acionistas, a começar por Arnault e a sua família.


Plantão

(65) 99288-0115